Thursday, March 8, 2007

O Castelo - A casa do tremoço e da cerveja

Os fidalgos do castelo, que só chegaram a fidalgos por cortesia da nobreza, costumam reunir-se aos sábados para beber umas cervejas acompanhadas de tremoço miúdo.
Estes fidalgos, sempre leais a outro fidalgo, O Insurgente, contam piadas entre amendoins e revelam as suas vontades, apenas descobertas por efeito dos finos, em tomar de assalto a corte. Não porque tenham qualquer ambição em governar melhor ou pior ou até porque quem são eles - ah pobres fidalgos! - para ambicionar tornar-se naquilo para que não nasceram nem têm qualquer dom ou feitio?
Estes fidalgos querem apenas porque podem querer, querem porque sim e ao fim e ao cabo têm memória curta e acabam sempre por cuspir no prato em que comeram.

Foi isso que fizeram os fidalgos ao Ás de Espadas - um verdadeiro golpe de estado, tão detalhadamente estudado quanto o álcool o permitia e nem por isso justificado, além da pura e simples fantasia de espetar um padrão em território inimigo. Despotismo e opressão são as suas bandeiras de ataque!
Mas perguntam-se vocês - quem deu poder a tal fidalguia? Ora pois foram esses mesmo a quem eles ousam derrotar!

O poder tão cobiçado foi tomado, de assalto pois certo, e que boas venturas viu o povo que mantém as suas vaidades? Nenhumas. Os fidalgos, uma vez no poder, deixaram em condescendência o Ás de Espadas para funções menores, pois tolo é aquele que espeta a faca e não a roda sobre a ferida, qual mulher.
A fidalguia, após o cobarde combate em que saiu vitoriosa, continua feliz no castelo, acompanhada de tremoço e Super Bock. O Ás de Espadas, tirano em prol de um bem maior, caiu de pé, quiça, a preparar o regresso a próxima batalha.

2 comments:

Maria das Dores said...

Muito bem dito, sim senhor.

Engrácia said...

Eu espero que os Ás Espadas volte... porque o Ás de Espadas é uma carta com prestígio e nível, coisa que o resto do barralho não tem...